Páginas

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin

sexta-feira, 26 de março de 2010

Óleos essenciais

Ayurveda, Aromaterapia e Aromatologia



Óleo essencial é o nome dado as substâncias extremamente aromáticas obtidas de plantas – flores, folhas, raízes, resinas e madeira. Estas substâncias possuem de forma concentrada uma grande quantidade de substâncias químicas com intenso potencial fitoterápico. O estudo das diferentes formas de utilizar estas substâncias é popularmente conhecido como Aromaterapia, mas o termo mais apropriado e abrangente para este estudo em sua integridade é Aromatologia ou, o estudo dos efeitos e das propriedades dos óleos essenciais considerando a utilização externa (inalações, massagem e cosmética) e interna, com todos os aspectos relacionados a sua terapêutica: clínicos, psicoemocionais e energéticos.


Na ayurveda o uso terapêutico dos óleos essenciais vem sendo utilizados a milhares de anos e é descrito em grande parte dos livros, relacionando os aromas e seus efeitos sobre os doshas (biótipos). A metodologia deste estudo é o mesmo aplicado às plantas medicinais: o conceito de rasa (sabor), virya (potência), vipak (efeito pós digestivo ou a longo prazo) e prabhava (efeito místico). Na terapia ayurvédica, usa-se o óleo essencial apropriado para o biótipo do paciente diluído no óleo para aplicação de massagem abhyanga – para que seja absorvido pela pele, como componente das fórmulas dos lepas e emplastos, no vapor do swedana e inalações e puros, aplicados localmente sobre os pontos marmas.




O olfato é, dos órgãos dos sentidos, o mais sensível e o primeiro a ser percebido pelo cérebro. Cada pessoa reage de uma maneira ao entrar em contato com uma cheiro pois todos possuímos uma identidade olfativa construída a partir de nossas experiências emocionais. Estas experiências e cheiros ficam registradas e associadas a muitas memórias, assim quando sentimos um cheiro que desperta alguma memória importante logo incorporamos a emoção a que aquele cheiro está associado.
Os óleos essenciais - além de despertar estes aspectos individuais, possuem devido a sua composição química a capacidade de provocar respostas fisiológicas e endócrinas no organismo através do sistema límbico e nos nervos olfativos. Por esta razão, a terapia com óleos essenciais é tão eficaz para estimular reações de comportamento e trabalhar traumas antigos e vícios emocionais.



Assim, conhecendo um pouco dos padrões psicoemocionais que cada dosha tende a assumir e estudando tanto com a visão ayurvédica como com a função bioquímica as propriedades dos óleos essênciais, estas informações podem ser cruzadas para desenvolver com mais precisão um tratamento clínico, sendo na aplicação dos óleos externamente quanto internamente.


Óleos para Vata
(cítricos, doces, quentes e resinosos)
Patchouli, lavanda, bergamota, ylang-ylang, cravo, erva doce, capim limão, cedro, laranja e jasmim e néroli.

 Óleos para Pitta
(frescos, doces, herbáceos e florais)
Sândalo, camomila, rosa, vetiver, gerânio, sálvia esclaréia, hortelã-pimenta, mirra, olíbano, petigrain, manjerona e lótus.

Óleos para kapha
(quentes, estimulantes e depurativos)
Canela, gengibre, gerânio, cânfora, eucalipto, tomilho, mostarda, manjericão






No Brasil, os óleos essências são considerados produto de perfumaria e para uso externo, sendo que é raro encontrar profissionais com conhecimento e treinamento sobre dosagens e formas de administração interna, isto porque a aromaterapia difundida aqui, tem sua origem na aromaterapia Inglesa. Já na França, por exemplo, o potencial fitoterapeutico do uso interno dos óleos essenciais é bastante difundido e aprofundado e estudado com seriedade pelo Scientific Institute of Aromathology.







Cuidados:
• nunca ingira óleos sem orientação especializada pois as dosagens e tempo de tratamento são muito específicas, podendo correr risco de intoxicação;
• Muito óleos essenciais são irritantes para a pele e podem causar queimaduras de utilizados em dosagem alta – como a canela e o tomilho, sempre faça um teste de sensibilidade antes de aplicar em uma área muito extensa;
• Óleos cítricos como a bergamota, possuem fotocumarinas e causam manchas na pele se associados a exposição solar;

• Nunca faça uma sessão com óleo essencial (via inalação ou no aromatizador) em um ambiente fechado.
• Observe algumas diluições: para 100ml de óleo carreador são suficientes 5-15 gotas de óleo essencial, em aromatizadores a dosagem cai para 3-5 gotas, dependendo da potencia do óleo.
• Cuidado com essências, elas podem até parecer com óleo essencial num primeiro momento, mas após 10 minutos podem causar dores de cabeça, além de não possuírem potencial terapêutico, limitando-se a um cheiro.

• Óleos essenciais de qualidade são caros devido a quantidade de planta necessária para sua extração, desconfie de óleos batizados. Marcas de confiança: WNF, by Samya, Laszlo ou Aromalândia.




Palavrinhas chave para quem quer saber mais e pesquisar: feromônios, nervo vômero nasal, aromatologia, osmologia, aromacologia, psicoaromaterapia, olfação e imunologia.

links:
www.penny-price.com/
www.laszlo.com.br

www.ibraromatologia.com.br

6 comentários:

  1. Oi Dai,

    aqui é o Ramananda Das, o Felipe Hare, q tb estuda naturologia. Adoro esse teu blog!

    q referencia vc usou p/os oleos nos doshas?

    creio q vi Swami Sadashiva da enciclopédia de ayurveda falando q olibano aumentava pitta...

    Haribol!

    ResponderExcluir
  2. Felipe,
    acredito que nesta enciclopédia possa ter encontrado esta informação. Se estudá-la atentamente vai encontrar muitas informações contraditórias, principalmente sobre ervas e indicações de terapias. Por esta razão não considero uma boa fonte de estudo.

    O olíbano é uma resina que vem do deserto, protege e resfria a planta em situações extremas. É intensamente fresco e purificador(estimula a pineal), tanto que é utilizado para purificar igrejas e templos. Na minha experiência percebo ele como facilitador da introspecção e da meditação. Além disso, o olíbano é anti-inflamatório devido a presença do ácido broswelico (já estudado clinicamente na Alemanha). Na ayurveda ele é muito indicado no tratamento de artrite, artrite-reumatóide e colite ulcerativa. Feche os olhos e sinta o olíbano, vais perceber esse frescor que me refiro.. sou muiiito fã do óleo essencial!
    beijo no coração!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Daiane, como vai?

    Queria pedir para atualizar o nome do nosso site, é Laszlo com SZ e não lazlo, daí o site correto é www.laszlo.ind.br ou www.laszlo.com.br. Este no seu site ninguém consegue acessar nada. Outra coisa, o site do IBRA (Instituto Brasileiro de Aromatologia) entra no ar agora em janeiro de 2011, é www.ibraromatologia.com.br

    Abçs

    Fabian Laszlo
    Diretor Geral Laszlo Aromaterapia

    ResponderExcluir
  4. Oi Fabian,
    já mudei os links.. grata pela correção!
    abraço!

    ResponderExcluir
  5. Olá Daiane, tudo bem?
    Queria pedir uma informaçào, de onde você tirou as informações dos óleos para cada dosha? Porque, eu comecei a trabalhar com amssagem ayurvédica recentemente, e procuro masi informações a respeito dos óleos essenciais, principalmente os efeitos deles sobre cada dosha. porém, em vários lugares só se falam de uns poucos óleos, e muitos, como cedro e cipreste, nem são citados em lugar nenhum. por isso, se puder me dar alguma referência, dica de livro ou site, que fale desses óleos, pelo menos os mais fáceis de conseguir, tanto em termos de facilidade para achar, e pagar, agradeço
    A propósito, seu blog está de parabéns.

    ResponderExcluir