Páginas

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Bhasmas

O uso de metais, minerais e gemas como medicamento pela ayurveda


A farmacologia ayurvédica é especial e inspiradora. Composta por dezenas de compostos com ingredientes que vão desde especiarias cotidianas, passando por urina de vaca, até metais e pedras preciosas. Através de muitos processos de transformação utilizando componentes catalisadores de reações, elementos que antes não se fundiam passam a ser um só. Os sábios químicos ayurvédicos desenvolveram compostos únicos chamados de Bhasmas.
Bhasma é o nome dado pela Ayurveda a medicamentos ayurvédicos obtidos através da encineração e purificação de metais, minerais e gemas (pedras preciosas e semi-preciosas). Estes compostos especiais são considerados mais potentes que muitas ervas, possuindo poder de penetração intenso no organismo humano. Promovem resultados clínicos mais rápidos e além disso podem potencializar o poder das ervas - como é o caso do coral vermelho, adicionado a compostos para promover uma melhor absorção das ervas.
Os bhasmas obtidos de gemas, além de indicados especificamente para o tratamento de muitas doenças pela Ayurveda, são considerados pela Astrologia Védica (Jyotish) potentes remédios contra as influencias planetárias ruins. Na visão da astrologia, a vibração das gemas tem o poder de absorver e refletir as vibrações planetárias ruins – constatadas apartir do mapa astral do indivíduo, como uma espécie de escudo protetor.

Existem muitos questionamentos acerca dos bhasmas ayurvédicos que possam conter traços de metais pesados como mercúrio – altamente tóxico, usados em parte dos processos de fabricação dos medicamentos. Existem inclusive pesquisas que vericaram a não toxicidade como o oposto – a toxicidade para o organismo humano. Por isso é sempre importante verificar a origem do medicamento. Os bhasmas ayurvédicos tradicionais são medicamentos milenares muito poderosos, cuja elaboração segue inúmeros processos de purificação que serão descritos em um texto a seguir. Todos os metais – pesados ou não, as ervas e as gemas utizadas passam por um processo de purificação intenso, mas infelizmente nem todas as farmácias possuem seriedade e controle na produção. Aqui no Brasil, a aquisição deste tipo de produto é mais complicada, mas uma boa alternativa pode ser preparar um bhasma caseiro – sem a presença de mercúrio claro! Costumo indicar durante o tratamento e de acordo com a necessidade do paciente as tinturas de gemas, os elixires de cristais ou as águas de metais. No final deste post, você encontra as indicaçoes e receitas de alguns bhasmas bem simples e seguros.


O texto que segue é uma tradução que fiz do wikipédia e pode ser lido orinalmente em ingles neste link: http://en.wikipedia.org/wiki/Bhasma


Bhasmikaran – entenda como são produzidos os bhasmas

Bhasmikaran é o processo pelo qual substâncias bio-incompatíveis tornan-se bio-compatíveis através de determinados processos que eliminam os Samskaras dos componentes (Puranik e Dhamankar, 1964e). Os objetivos são: a) eliminação de matérias prejudiciais dos componentes, b) a modificação de propriedades físicas indesejáveis dos componentes, c) conversão de algumas das características dos componentes, d) reforço da ação terapêutica (Puranik e Dhamankar, 1964e ).


Muitos passos envolvem a preparação de um bhasma (ou bhasmikaran):

1) Shodhana: purificação do componente,
2)  Maran: transformação do componete em pó,
3) Chalan: agitação ou dinamização do componente,
4) Dhavan: limpeza ou lavagem,
5) Galan: filtagem
6) Putan: aquecimento,
7) Mardan: trituração,
8) Bhavan: mistura com extrato de plantas medicinais,
9) Amrutikaran: desintoxicação e
10) Sandharan - preservação (Puranik e Dhamankar, 1964e). 

A escolha do procedimento depende do componente (metal, gema ou erva) específico que está sendo purificado. Muitas vezes ocorre uma sobreposição de medidas, por exemplo maran é atingido por Puttan.  A tese do elaborado processo Bhasmikaran é visto em detalhes nos parágrafos seguintes.

 
1. Shodhana: O principal objetivo do shodhana é remover a parte indesejada da matéria-prima e separar as impurezas (Vaiday Dole e 1996b). Metais obtidos a partir de minérios podem conter várias impurezas, que são removidas após serem submetidas ao processo de Shodhana. No contexto do bhasma, shodhana significa purificar e tornar o produto apto para a próxima etapa. A Ayurveda classifica o shodhana como um processo geral (A) ou como processo específico (B).
Processo geral para shodhana:

A) "As chapas de metais são aquecidas a altas temperaturas (até ficarem vermelhos) e são sucessivamente mergulhadas em líquidos, como óleo, manteiga ou urina de vaca. O procedimento é repetido sete vezes".

B) O processo de shodhana específico em alguns metais pode ser descrito, por exemplo, para a purificação de Jasad: a massa fundida é vertida no leite de vaca 21 vezes (Shastri K, 1979b).


2. Maran: Maran significa literalmente matar. Como o nome sugere, neste processo uma mudança é provocada na forma química ou no estado do metal. Isto faz com que ele perca suas características metálicas e natureza física. Resumindo, após maran, o metal pode ser convertido em pó ou outro material adequado para a administração. Para converter vários metais em uma fórmula apropriada para o consumo humano, várias técnicas têm sido empregadas. Estas técnicas deram à luz ao conceito: "bhasma preparado usando mercúrio é melhor, enquanto que as ervas que são preparadas usando Gandhak (enxofre) são de qualidade inferior". Assim, existem três métodos indicados para o maran, realizados por aquecimento do metal na presença de 1) mercúrio 2) plantas e 3) de enxofre.

Quando vários marans são realizados na presença de metais foram analisados e verificou-se que o mercúrio é o componente mais usado. A propriedade exclusiva que o mercúrio possui para misturar muitos metais deve ter sido a razão por trás da sua máxima utilização no processo de Bhasmikaran. Antigos praticantes poderiam tê-lo encontrado como o produto químico mais adequado e provavelmente, ter mencionado que o uso de mercúrio na preparação de bhasmas torna o produto de qualidade superior.  As plantas utilizadas no processo do maran podem estar servindo como catalisadoras do processo ou os minerais nas plantas podem estar formando complexos com os metais. No entanto, tal explicação não pode ser obtida pelo uso de enxofre.

Imagem abaixo - arquivo pessoal: estágio Putan da produção de um bhasma

3. Chalan: É o processo de agitação durante o aquecimento do metal. A agitação é realizada com uma barra de ferro ou de pau feita de uma planta específica. Como se sabe hoje, o ferro serve como catalisador em muitas reações químicas. Os fitoconstituintes da madeira da planta podem receber este reforço no efeito terapêutico. Por exemplo, a madeira do Neem é usado para o processo de Chalan Jasad bhasma, que é usado topicamente para doenças oftalmológicas. Podemos interpretar o significado desse processo agora. O Neem é um anti-séptico (Puranik e Dhamankar, 1964h). O zinco é antisséptico, adstringente e tem a propriedade de cicatrização da úlcera (Block et al. 1982b). Estes efeitos de ambos os componentes podem conferir o produto final melhor atividade terapêutica.  

4. Dhavan: Neste processo, várias lavagens com água são realizados no composto obtido na etapa anterior. Talvez esta seja a meneira de remover quantidades excessivas de agentes utilizados no processo do shodhana ou no maran. Esses agentes podem afetar adversamente a qualidade do produto final. Assim, os intermediários são lavados para que os componetes solúveis em água sejam removidos (Puranik e Dhamankar, 1964h).

5. Galan: O produto é então peneirado através de um pano fino ou através de peneiras de malha adequada, de modo a separar o material residual de maior dimensão (Puranik e Dhamankar, 1964h).

6. Puttan: O termo significa ignição (estado de um corpo em combustão ou quando levado ao rubro). O termo geral utilizado para o aquecimento no processo de Bhasmikaran é Putta. Uma panela de barro especial chamada de Sharav é geralmente utilizada para o processo. Ela tem duas partes, cada uma com uma forma de bola de futebol. Sharav é usado para o aquecimento do material. Sua superficialidade é útil para o aquecimento do material mais rápido e uniforme. Depois de manter o material em superfície rasa a outra parte é usada como uma tampa, colocando-a em uma posição invertida. Este processo pode ser encarado como etapa chave na fabricação dos bhasmas. A classificação deste procedimento (Putta) é feito principalmente sobre a natureza básica do processo e está como abaixo: (Puranik e Dhamankar, 1964f)




1) Chandraputta
2) Dhanyarashiputta
3) Suryaputta
4) Bhugarbhaputta
5) Agniptuta.

(imagem ao lado - arquivo pessoal: agniputta)



 

Bhasmas Caseiros

Agua de ouro e água de prata

O ouro é o metal do coração e do sistema nervoso. Possui a energia do sol, sendo este seu astro relacionado. De qualidade quente, nutritiva e estimulante, este metal é indicado pela ayurveda como tônico do sistema nervoso, do sistema imunológico e do sistema circulatório. Seu uso promove o desenvolvimento de sentimentos altruista pelo coração como a compaixão e confiança interior. O ouro é também reconhecido como o metal do EU, e por isso indicado para doenças auto-imune e portadores de HIV.



A prata é um metal essencialmente frio, sedativo e indutor da introspecção. A energia da prata está relacionada a aspectos incoscientes femininos e astrologicamente ligado a lua. Pode ser utilizada para sedar o canal energético solar conhecido pelo yoga como Ida (brinco de nariz de prata pode ter esta função). Pessoas excessivamente extrovertidas e agitadas devem usar prata. Lembre-se sempre de usar prata pura – a de Bali, muito popular aqui no Brasil não é indicada pois tende a drenar energia do corpo físico.



Como preparar: coloque em uma panela de vidro, barro ou ágata um pedaço de ouro ou prata (pode ser uma jóia) e acrescente dois copos de água pura (não clorada). Leve ao fogo baixo e deixe reduzir até ¼ do volume inicial. Espere amornar e bebe em seguida.



O cobre é o metal da mulher. Relacionado ao elemento terra, é morno e nutritivo. Age diretamente sobre o sistema reprodutivo femino sendo indicado para tonificar o útero e os ovários. A água de cobre é uma terapêutico simples amplamente recomendado pela ayurveda para tonificar o baço e o pâncreas. A nivel emocional, o cobre promove segurança e estabilidade, combatendo a ansiedade, emoção relaciona ao pâncreas. Para preparar a água de cobre não é necessário o aquecimento. Basta deixar água pura em um recipiente de cobre adormecer durante uma noite. Deve ser tomada no dia seguinte em jejum. Esta prática pode ser feita 1 a 3 vezes ao mês.



Esta redução pelo fogo também pode ser feita com gemas preciosas e cristais, mas como o estudo é muito amplo, deixo aqui a idéia para um próximo post.

namastê!

3 comentários:

  1. Olá, Daiane. Cadê as receitas dos Bhasmas caseiros?

    Um abraço,
    Taisa
    http://oyogadiario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Taisa, a receita dos bhasmas a que me refiro são as águas de metais e gemas. Um astrólogo indiano que me passou a receita de decocção para a preparação de chás e potencializar as ervas. Alguns autores reconhecem como bhasma todo o composto que contenha metal, gemas e ervas que tenham passado pelo processo de aquecimento e prurificação.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Daiane. Obrigada!! É que as receitinhas ainda não estavam no post quando eu li...

    ResponderExcluir