Páginas

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O Intestino

sede de vida

A saúde do intestino grosso e a vitalidade do nosso organismo caminham de mão dadas – diria que atadas. Não é de espantar que o ínicio de todo tratamento ayurvédico preconiza a regulação intestinal. Para a ayurveda o cólon é a sede do dosha vata, onde todos os desequilíbrios nos outros doshas tendem a nascer. Iniciam em vata, pois é o elemento que coordena de forma inteligente através do sistema nervoso os outros elementos. Vata é o cólon. Quando vata está desequilibrado desencadeia uma série de problemas de saúde físicos e psíquicos. 


O cólon além de ser um órgão de limpeza e excreção de resíduos do organismo possui um complexo sistema regulador que suporta a flora intestinal. Este conjunto inteligente de bactérias está presente em seu interior e é responsável pela harmonia de funções digestivas, endócrinas e imunológicas além de trabalhar no processo  de absorção de nutrientes. Uma verdadeira central de inteligência com profunda responsabilidade pela saúde integral do organismo.
O intestino, é considerado um núcleo de funções psíquicas, sendo que 95% da serotonina, substância responsável pela sensação de bem estar é produzida em seu interior. Quando desequilibrado interfere na capacidade de tomar decisões e sintomas como  instabilidade, medo e insegurança, sensação de exaustão mesmo após descanso, hiperatividade e déficit de atenção são sintomas comuns de serem observados. Tristeza e depressão também podem assim ser ligados ao seu desequilíbrio.

O declínio da saúde do corpo está profundamente relacionado a saúde do cólon e pode-se facilmente observar que a maior parte das doenças tem origem na irresponsabilidade alimentar. Sabemos que a base de uma função intestinal harmoniosa são as bactérias presentes na anatomia inteligente do intestino - anatômicamente as microvilosidades deste órgão são permeadas por milhões de bactérias. O principal fator perturbador desta ordem interna está na ingesta de alimentos tóxicos que matam estas bactérias e permitem que outras formas vivas, também bactérias, se instalem na região matando a “boa flora” e transformando o intestino em um produtor de toxinas que vão passar a circular através do sistema sanguíneo envenenando e poluindo o corpo e a mente e provocando as mais variadas desordens que vão de simples gases e depressão do sistema imunológico à condições psicológicas perturbadoras. Quando este quadro  de desequilíbrio da flora está associado com constipação, a carga tóxica que pode estar circulando tende a tornar-se ainda mais intensa, além de levar ao intestino a pedir ajuda aos outros órgãos que trabalham como depuradores e excretores - como por exemplo a pele e o rim onde obsevamos vitalidade e beleza, sobrecarregando assim outros sistemas.

Abaixo segue parte de um texto muito interessante, de autoria do Dr. Alberto Gonzalez sobre a relação da alimentação, flora intestinal e sistema imunológico.

A paz é intestinal
Por Dr. Alberto Gonzalez

O sistema digestivo, após uma refeição, usa de todos os recursos para obter os nutrientes que irão sustentar a vida. Basicamente são: enzimas que degradam gorduras, proteínas e carboidratos, ácidos e bases para 'digerir' grandes moléculas, emulsificantes, quelantes, um verdadeiro laboratório bioquímico, à nossa disposição. Tudo funcionando naturalmente, permitindo que aquilo que usamos como alimento possa ser transformado em nutrição e energia. 
O tubo digestivo deve ter a capacidade de selecionar o que é bom (nutrição) e o que é ruim (excreção). Defender-se de um intruso com más intenções, e manter os que pegam carona e nos ajudam: das bactérias. São em média um quatrilhão de bactérias que, dependendo da alimentação, podem ser grandes amigas ou grandes inimigas da saúde.
Para manter essa enorme população de bactérias, nem sempre pacíficas, as paredes do tubo digestivo contam com a maior massa de tecido do corpo humano: o sistema de células M e as placas de Peyer. Esse sistema imunológico pode identificar e destruir microorganismos e moléculas que não nos servem ou selecionar e absorver moléculas complexas que sejam necessárias à economia e saúde do organismo.
Os processos digestório e imunológico permitem a absorção de enzimas da dieta, e podem neutralizar e destruir bactérias nocivas ou relacionar-se diplomaticamente com elas, e até dar suporte a populações de bactérias benéficas.
Se ingerirmos alimentos cozidos antes de um exame de sangue (café com leite e pão com manteiga por exemplo), nosso corpo iniciará uma resposta imune que eleva a contagem de glóbulos brancos a um valor parecido ao de uma apendicite aguda. Essa resposta orgânica é chamada de leucocitose digestiva. É por isso que os laboratórios pedem sempre que se fique em jejum antes de um exame de sangue. Esse fato, entretanto, não ocorre após a ingestão de alimentos crus.
As bactérias podem gerar efeitos diametralmente opostos na nutrição e vitalidade, dependendo do seu gênero:
• Benéficas: trabalharão incessantemente fermentando, degradando, digerindo, produzindo vitaminas (como as do complexo B), interferon (o mais potente remédio contra os vírus), antioxidantes, degradando colesterol nocivo e mantendo nosso sistema imune estável, saudável e ativo.
Elas se nutrem basicamente de fibras e alimentos de origem vegetal, principalmente os íntegros,  maduros e frescos, ou seja, não refinados, cozidos, fritos, aditivados ou congelados.
• Nocivas: trabalharão incessantemente produzindo colesterol nocivo, enterotoxinas, produtos carcinogênicos e imunodepressores, radicais livres e tornando o sistema imune instável, deprimido e auto-agressivo.
Elas se nutrem de alimentos industrializados e vazios de nutrientes, açúcar, refinado( sacarose), farinhas e amidos refinados, aditivos sintéticos, produtos de origem animal.
Alimentando-se assim, mantemos em nosso intestino um viveiro de serpentes venenosas, que transformam tudo o que aparece em toxinas fortíssimas e degradam substâncias presentes nessa forma de dieta, em produtos que fabricam o câncer, podendo agir diretamente na parede do intestino ou ser absorvidos, gerando um enorme problema para nosso corpo se livrar. Causa surpresa que esses alimentos sejam considerados inofensivos pela Saúde Pública. (leia o artigo inteiro)


Alimentos que poluem o corpo e a mente:

- carnes de produção convencional onde os animais são bombardeados com vacinas e antibióticos que matam a beleza do intestino além de entrarem rapidamente em putrefação produzindo lixo para o sangue.
- Alimentos industrializados ricos em conservantes, conservadores e anti-fúnicos que ajudam a exterminar a flora.
- Açúcar e toda espécie de alimentos refinados que acidificam o sangue e destroem o equilíbrio do ph interno do organismo humano.

Uma alimentação baseada em nos itens acima, não só destroem a flora intestinal mas também desvitalizam o sistema imunológico, deixando assim o corpo exposto á infecções por outras variedades de vírus e bactérias nocivos. Outro fator relevante na destruição da flora é o uso constante de antibióticos e antimicóticos.

Intestino que não Flui - constipação 

Para a ayurveda, a saúde do intestino está intimamente ligada ao nosso ritmo. Sendo o cólon a sede física do dosha vata - humor do ar e do éter, e seu desequilíbrio provocado pela inconstância e a instabilidade, a ayurveda recomenda rotina e alimentação anti-vata para quem apresenta intestino irregular, bem como o uso de ervas e limpezas intestinais periodicas. A alimentação para que sofre de prisão de ventre deve ser úmida, com uso de óleos vegetais ou ghee (encontre aqui) para facilitar a lubrificação do bolo fecal em maior quantidade. A alimentação anti-vata é caracterizada por conter alimentos bem cozidos mas cabe aqui comentar que a ingesta de alimentos crus e brotos é de extrema importância devido a presença de enzimas reguladoras que são perdidas durante o cozimento. Conselho: cozinhe bem os grãos e leguminosas, deixando-as de molho em água por algumas horas, despresando a água do molho para evitar que formem gases quando consumidas, o cozimento a preparação apropriada permite que a fibra hidrate e não resseque o intestino. Tempere os legumes e saladas cruas com bastante azeite de oliva, tahine ou algum óleo virgem de sua preferência deixando-os “úmidos” como prevê a dieta anti-vata. 
Ingerir chás de flores doces e água sempre em temperatura ambiente também é muito importante. A rotina deve ser observada de modo a facilitar com que o relógio intestinal se harmonize com o pessoal: deitar-se e levantar-se sempre no mesmo horário, de preferência acordar antes do horário do intestino que vai até as 7 horas da manhã e estabelecer um horário para as refeições é também de importância considerável para a configuração e marcação deste ritmo.

Na ayurveda, a erva mais recomendada para  regular o intestino é conhecida como triphala, que na verdade é um composto de três ervas:  Amalaki (Emblica officinalis), Bibhitaki (Terminalia bellirica), e Haritaki (Terminalia chebula). Mas existem outras ervas daqui muito interessantes e de ótimo desempenho como o ruibarbo (Rheum palmatum L.), o psyllium na imagem ao lado (psyllium Plantago psyllium L) e o óleo de mamona, sendo que o óleo não deve ser tomado sem orientação pois causa forte diarréia. O chá de sene (senna alexandrina) funciona, mas irrita o intestino e também não deve ser usado corriqueiramente pois pode causar dores abdominais bem intensas quando a dosagem e o tempo de tratamento não são observadados. O principal tratamento ayurvédico para o cólon é chamado de basti, indicado para pessoas com desequilíbrios crônicos de intestino e em casos de excesso do dosha vata.


Irritação crônica e mau humor são as condições mais comuns de quem está literalmente enfezado ou retendo fezes, por isso o melhor tratamento para esta condição é cuidar do intestino trazendo também à reflexão: o que está travado ou parado em mim? O que não consigo deixar ir embora? A que estou apegado?
Outros fatores relacionados a constipação é a falta de atividade física, o baixo consumo de água e alimentos integrais e/ou crus.

Segue  um artigos bem interessantes para quem que saber mais:

O que revela um intestino preso? 
Metafisicamente, a prisão de ventre pode revelar uma avareza para com a possibilidade de prosperidade e expansão da própria vida. Inclusive, é comum que pessoas que apresentam constipação crônica, tenham dificuldade de aprendizado e resistência para aceitar desafios.

3 comentários:

  1. Que lindo artigo Daiane!
    Obrigado por tanto esclarecimento, oportunamente vou partilhar e indicar a leitura!
    Daiane logo preciso te escrever sobre o ghee, aquele lote esta no finzinho! abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Daiane, tudo bem?
    Te mandei um email esta semana sobre o ghee mas creio que vc não o recebeu, pois não tive seu retorno.
    Sera que vc esta viajando?
    Abraços

    ResponderExcluir